Via Brasil Logo
Ícone Telefone
(61) 993712871
Imagem Gerenciavel

Córrego Do Urubu

Brasilia
03/05/2021

O Brasil é formado por seis biomas de características distintas: Amazônia, Caatinga, Cerrado, Mata Atlântica, Pampa e Pantanal. O Cerrado é o segundo maior bioma da América do Sul, chamado de savana brasileira. Por possuir uma grande biodiversidade que formam um berçário de águas, região de cabeceiras, que formam as bacias hidrográficas no país. Das 12 regiões hidrográficas nacionais, três são nutridas pelos divisores de águas do Distrito Federal, Paraná, Tocantins-Araguaia e São Francisco. As bacias do rio Paranoá e dos rios Descoberto, Corumbá, São Bartolomeu e São Marcos, integram a bacia do rio Paranaíba, situada na Região Hidrográfica do Paraná.

A bacia do rio Maranhão pertence à Região Hidrográfica Tocantins-Araguaia e a bacia do Rio Preto pertence à Região Hidrografica do São Francisco. São ao todo 7 bacias hidrográficas com 41 unidade hidrográfica, parte das bacias que englobam o território do Distrito Federal, perfazem uma rede hídrica de aproximadamente 700 cursos d ́água (rios, ribeirões, córregos, grotas, lagoas, riachos, represas, lagos e lagoinhas). O córrego do urubu no sentido sul, além de nutrir a bacia do rio Paranaíba, que à jusante se encontra com o rio Grande, formando o grande rio Paraná. As águas do Distrito Federal também contribuem para a formação da segunda maior bacia de águas transfronteiriças da América do Sul, a bacia do (Prata), que abrange territórios de cinco países: Argentina, Bolívia, Brasil, Paraguai e Uruguai. Essa bacia tem três tributários principais (córrego do Urubu, Sagui e diversos olhos d'água) o Sagui atualmente encontra-se morto.

O Núcleo Rural Córrego do Urubu que está situado a 14 quilômetros da rodoviária do Plano Piloto de Brasília, pertencente a unidade hidrográfica Santa Maria/Torto (baciahidrográfica do lago Paranoá), está inserida em duas importantes Áreas de Proteção Ambiental (APA), a do Planalto Central e do Lago Paranoá. Essa região vem sofrendo forte pressão antrópica, em especial pela especulação imobiliária, e sendo uma APA, os moradores não têm saneamento básico, coleta de lixo e rede de esgotos, como resultado o solo absorve todo o esgoto das fossas irregulares e dos detritos do lançamento de lixo de forma irregular resultando na contaminação do lençol freático na região. Exames mostram que água vem sendo contaminada a mais de 15 anos, pela invasão irregular e a extração irregular da água sem autorização para irrigar grandes hortas. Essa ocupação irregular de pessoas dentro da APA vem causando danos irreversíveis para o meio ambiente da América Latina e sua biodiversidade.

Existe hoje uma guerra territorial, acontecendo na APA, entre grileiros e moradores-invasores que moram na margem do córrego sobre as nascentes, devemos salientar que entre esses invasores, encontram-se principalmente “ambientalista” e ONG’s (Oca Do Sol). Existem dentro da APA, chácaras que, mais parecem uma cidade, pela quantidade de casas que existem no interior das áreas cercadas que se tratam de áreas públicas, casas  construídas para serem alugadas por valor super inflacionado, baseado no aluguel do Lago Norte (que se trata de área nobre da capital do país). O valor do aluguel anunciado varia entre 1,500 a 3,500 reais. Os moradores anunciam lotes de mil metros por 270 mil reais enquanto grileiros anunciam mil metros por 70 mil reais . Com o exposto, podemos concluir que estão destruindo um berçário de grande importância para o clima nacional e para o clima  de cinco países da América Latina somente para satisfazer um pequeno grupo de privilegiados que usam a bandeira do meio ambiente para enriquecer financeiramente com o comércio imobiliário de uma área pública que é de direito de toda a sociedade em sua totalidade. Em 2018 Brasília, recebeu o fórum mundial da água e o governo do Distrito Federal nada faz para preservação das suas nascentes que dão sustentabilidade a formação de diversas bacias hidrográficas que tem grande importância de vários biomas brasileiros e biomas de países da América Latina.

Por Maisa Maia

Receba nossos destaques por email, cadastre-se: