Via Brasil Logo
Ícone Telefone
(61) 993712871
Imagem Gerenciavel

Marco Temporal—Estupro

Brasilia
27/09/2021

Marco Temporal-Estupro-


Muitos ouviram falar através dos meios de comunicação e das redes sociais sobre o MAIOR acampamento indígena que houve em Brasília durante a votação do Marco Temporal pelo STF.
Diferente do que se noticiou a grande mídia não foi o MAIOR acampamento INDÍGENA do país, não era apenas indígenas que participava mais, sem terras, estudantes, ONGs que organizaram o acampamento e estuprador.
O indígena LÍDER espiritual Pajé IBÃ TERRI HUNI KUI, da etnia PINUYA que participava do acampamento saiu da sua aldeia localizada no estado do Acre para usar da religião e da fé de uma jovem para assediar e cometer estupro.


O estupro aconteceu dentro de uma área pública localizada dentro da APA do lago Paranoá região nobre da Capital Federal.
Essa área é de suma importância para o clima nacional e da América latina, as águas que nascem dentro da APA contribuem para a conformação da segunda bacia de águas transfronteiriças da América do Sul, a bacia do Prata que abrange territórios de cinco países, Argentina, Bolívia, Brasil, Paraguai e Uruguai. Essa área vem sofrendo com a invasão irregular, com o uso irregular do solo e com a extração irregular da água há mais de 15 anos pelos invasores “ambientalistas”.
Foi realizada dentro da APA uma Pajelança conduzida pelo pajé e “líder” espiritual aproveitou a fragilidade da jovem para cometer o assédio e o estupro.
A jovem abalada e chorando muito procurou os responsáveis pela cerimónia as feministas os ambientalistas e não recebeu acolhimento nenhum.

Mesmo com todos cientes do crime que ali aconteceu o que é omissão, tipificado no código penal brasileiro, no art. 13 deixaram o indígena sair livremente do local sem chamar a polícia e ainda o protegeu.
O estupro aconteceu no dia do aniversário da jovem o que vai marcá-la pelo resto de sua vida.
 

Foi informado nessa matéria que o estupro havia acontecido dentro do instituto oca do sol, essa informação foi data pela organizadora da pajelança via Whats Sapp onde a Oca do sol não reconhece esse evento. houve um erro nesse texto devido a falta de comunição 


Segundo a secretaria da Oca do Sol, não aconteceu nenhuma pajelança no interior do instituto. Essa informação foi data pela Oca DO Sol no dia 20/10/2021
A revista Via Brasil, procurou a representante legal da Oca do Sol no dia 13 de setembro para falar sobre o estupro e não respondeu.

Por Maisa Maia Cientista Politica 

Receba nossos destaques por email, cadastre-se: